Como lemos Lacan?

O leitor de Lacan é convocado a dar de si, a escolher uma direção através da qual se orientar no texto, tornando-se, também ele, autor de uma determinada amarração teórica, com o que faz avançar a psicanálise.

O modo de leitura que a obra de Lacan instiga, é formadora do psicanalista por apurar sua escuta e provocar sua produção teórica.

Formação e transmissão constituem duas questões tributárias do modo como lemos Lacan. O que, então, essa leitura implica? Uma desconstrução do texto de partida? Uma heresia contra os cânones? Do leitor ao autor um estilo se forja, um analista se forma e o impossível se transmite.

Encaminharemos este tema por meio de palestras de convidados e de reflexões entre os membros da ACP intercaladas a essas palestras. Por outro lado, o tema do ano será um fio condutor a interligar, na medida do possível, todas as nossas atividades de estudo ao longo do ano de 2018.

 

BIBLIOGRAFIA:

- Bassol, M. Lo Feminino – entre centro y ausência, Grama Ed., Buenos aires, 2017.

- Dessal, G. e Chorne, M. (eds.) Jaques Lacan – El psicoanálisis y su aporte a la cultura contemporánea, Ed. Fondo de Cultura Económica de España, Madrid, 2017.

- Porge, E. Transmitir a Clínica Psicanalítica – Freud, Lacan, Hoje, Ed. Unicamp, Campinas, S.P., 2009.